Sem o equipamento, ex-ministro Geddel Vieira Lima não poderá ser monitorado pela justiça em prisão domiciliar;

Da redação

A Superintendência da Polícia Federal da Bahia não dispõe de tornozeleira eletrônica para os acautelados em prisão domiciliar. A informação é da Polícia Federal (PF) por meio de nota enviada no início da tarde desta sexta-feira (14).

Com a fala do equipamento, a prisão domiciliar do ex-ministro Geddel Vieira Lima não poderá ser monitorada pela Justiça.

A nota da PF ainda explica que o equipamento é de atribuição do sistema prisional federal ou do estado. No entanto, o órgão afirma a impossibilidade de cumprir a decisão da 10ª Vara Federal, em Brasília, que determina que, no prazo de 48 horas, a Superintendência da PF forneça a tornozeleira para uso de Geddel.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (SEAP) também informou que “ainda não possui tornozeleiras eletrônicas”.

A pasta afirma que fez duas licitações para a compra do equipamento: a primeira, para aquisição de 300 tornozeleiras, “já em fase final de homologação”, com previsão de entrega para o próximo mês. A segunda licitação prevê a compra de 3.200 equipamentos de monitoramento eletrônico de pessoas.

O noticiário local informou o desembarque do ex-ministro, em Salvador, na madrugada desta sexta-feira (14). A defesa de Geddel não foi localizada para confirmar a chegada dele a Salvador e a Polícia Federal também não quis confirmar.

A falta de tornozeleira eletrônica em Brasília, onde Geddel estava preso, atrasou sua soltura em um dia. Ele só foi solto depois que o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), determinou o uso quando chegasse à sua casa em Salvador.

*Agência VIU! com EBC

Comentários

comentários