Equipamentos avaliados em mais de R$ 500 mil estavam guardados numa sala do órgão em Italva; entrega poderia ser atrelada a uso político para beneficiar Jair Bittencourt

Da redação

Por meio de um mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça, o Ministério Público de São Fidélis-RJ encontrou vários equipamentos comprados pela secretaria de Saúde do Estado guardados no depósito da Emater-Rio na cidade de Italva, no Norte Fluminense.

Os equipamentos avaliados em mais de R$ 500 mil estavam no órgão ligado à secretaria de Agricultura desde março.

O material que inclui 46 macas, roupas, mesas e camas seriam destinados as cidades de Aperibé, São Fidélis, São José de Ubá, Italva e Bom Jesus do Itabapoana. Existem indícios de que a entrega estava atrelada a um calendário para exploração política.

O atual secretário de Agricultura do Estado é o deputado Estadual licenciado Jair Bittencourt (PSB), que tem base eleitoral nos municípios que receberiam os equipamentos. De acordo com o promotor de justiça Bruno Santarém, o material destinado a São Fidélis foi apreendido e se encontra acautelado.

Autor do pedido de busca e apreensão, Santarém estranhou a utilização do espaço da Emater-Rio como depósito para equipamentos de unidades de saúde.

“É estranho que um espaços da Secretaria de Agricultura seja utilizado para guardar esse tipo de material”, disse. O promotor de Italva, Marcelo Alvarenga, também acompanhou o cumprimento do mandado e deve instaurar inquérito.

Em nota oficial, a secretaria Estadual de Agricultura afirmou que cedeu o espaço para a secretaria de Estado e Saúde por uma questão de logística e economicidade e que a retirada dos equipamentos seria responsabilidade das prefeituras.

Mas algumas prefeituras não tinham conhecimento da existência do material. Este é o caso da prefeitura de São Fidélis. De acordo com a secretaria de Comunicação, o único hospital da cidade não pertence ao município.

“Se este material fosse destinado ao município não teríamos onde colocar, porque o hospital pertence e está sob administração de uma associação filantrópica”, explicou o secretário de Comunicação Iedson Barros, depois de tomar conhecimento do material por meio de notícias veiculadas na imprensa.

Comentários

comentários